“A desinformação facilitou o golpe”, afirma Ildo Nascimento

A terceira mesa do Controversas contou com a presença do professor da UFF e dos professores e jornalistas, Rosental Calmon Alves e João Batista de Abreu, que debateram sobre o jornalismo brasileiro durante a ditadura

Por Thaís Cerqueira (reproduzido do Controversas UFF)

Da esquerda para a direita, Dante Gastaldoni, João Batista, Rosental Calmon Alves e Ildo Nascimento: jornalismo brasileiro Foto: Ana Clara Campos

Da esquerda para a direita, Dante Gastaldoni, João Batista,
Rosental Calmon Alves e Ildo Nascimento: jornalismo brasileiro
Foto: Ana Clara Campos

Ildo Nascimento deu início à fala com uma apresentação de slides, dando um contexto histórico sobre tipografia, linotipo e as antigas máquinas de composição de texto. Ainda na época do golpe de 1964, a estrutura necessária para se elaborar um jornal era bem mais complexa do que é atualmente, e por isso havia certo atraso na disseminação de informações. “A desinformação facilitou o golpe” disse o professor. O debate aconteceu na terceira mesa do Controversas, na UFF, em 19 de maio, com mediação de Dante Gastaldoni.

Ildo Nascimento apresentou série de slides sobre detalhes de capas de jornais da época | Foto: Ana Clara Campos

Ildo Nascimento apresentou série de slides sobre detalhes de
capas de jornais da época | Foto: Ana Clara Campos

Com diversas capas do jornal O Globo e do Jornal do Brasil, músicas, fotos e algumas animações que levaram o público presente aos risos, Ildo comentou detalhes da diagramação e a utilização de recursos gráficos da época.

O modo como Globo e o JB davam a mesma notícia eram bem diferentes. O Jornal do Brasil lançava mão de um projeto gráfico inteligente, utilizavam páginas temáticas, diagramação simples e funcional. Com essas estratégias, eles encontravam formas de protestar, driblar a censura e realçar o discurso contra a ditadura.

“Desde a faculdade meu sonho era trabalhar no JB”, lembrou Rosental Calmon Alves, no início de sua fala. Para ele, era admirável a forma como o jornal se posicionava, sempre testando os limites da censura. Alves trabalhou durante 23 anos no Jornal do Brasil, como repórter, redator, editor e diretor.

O jornalista lembrou que a censura no rádio e na televisão era ainda maior que no jornal impresso, pelo fato de esses meios dependerem de concessão governamental. Mesmo com a repressão muito dura, o JB passou muitas vezes pela censura. Os censores nem sempre notavam as mensagens de repúdio à ditadura incorporadas no diagrama do jornal.

"Nem todos resistiram", diz João Batista, sobre o problema da autocensura de jornalistas | Foto: Ana Clara Campos

“Nem todos resistiram”, diz João Batista, sobre o problema
da autocensura de jornalistas | Foto: Ana Clara Campos

Como correspondente internacional, Rosental pôde ver como funcionava a censura em outros países governados por ditaduras, na América Latina. Ele trabalhou durante 11 anos em países como Argentina, Uruguai e Paraguai. Finalizando o discurso, lembrou que “o pior tipo de censura que vigorou no Brasil foi a autocensura”.

João Batista iniciou sua fala contando algumas de suas experiências pessoais e profissionais da época. O professor procurou, mostrar como era difícil exercer a profissão para os que queriam passar a verdade para a população. Pois, a maioria dos jornalistas tinha que publicar o que seus patrões queriam, com poucas exceções. Para ele, parte dos jornalistas tinha uma visão progressista: “Não dá para partir da ideia de que todos resistiram”.

O professor lembrou que, em 1974, o governo proibiu a publicação de notícias sobre a crise de meningite que atingia todo território nacional. E que milhares de crianças poderiam ter sobrevivido ou não terem tido sequelas da doença, se o governo não tivesse sido irresponsável. “Quem acredita que vivemos uma ‘ditabranda’ omite esse e outros casos de falta de responsabilidade e civismo do governo da época”, finalizou.

Anúncios

2 comentários sobre ““A desinformação facilitou o golpe”, afirma Ildo Nascimento

  1. Pingback: A opinião do público: repercussão do evento pelos corredores | Afasta de mim este Cale-se

  2. Pingback: DESCOMEMORANDO OS 50 ANOS DO GOLPE NO CONTROVERSAS UFF | Afasta de mim este Cale-se

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s