O rio e as margens que o comprimem

“Do rio que tudo arrasta se diz que é violento. Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem”. A famosa frase do teatrólogo alemão Bertolt Brecht nunca foi tão atual para simbolizar a violência que aflige os brasileiros de todas as categorias sociais.

As diversas faces da violência, desde a simples omissão aos atos de agressão à mulher, passando pelo desrespeito aos direitos à moradia digna, são destaques desta edição do Afasta de mim este Cale-se, nosso projeto de extensão realizado por estudantes de Jornalismo da UFF. A violência do homem comum, a daqueles que se dizem educadores e, principalmente, a das autoridades estão presentes no nosso cotidiano, assim como as margens invisíveis que comprimem o Rio (de Janeiro).

João Batista de Abreu

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s