Desabrochar

A poesia tem diversas aplicações.
Serve para satisfazer a inspiração, massagear o sentimento ou simplesmente para fazer companhia.

A poesia pode também emprestar solidariedade e conforto a quem sente dor.

Puta
Sem lar
Sem lei.
Estupra
A princesa
Sem rei.
Escrava
Da senzala
Ao patrão.
Moça
Que nasce flor
Sem perdão.
Por deus
Nossas senhoras, Madalena.
Primeiro a pedra
Depois a lenda.
Trinta e três
E conta outra vez
Qué pro papa perdoar.
Ajoelha uma vez por mês
Qué pro sangue estancar.
Menina,
você já virou moça
cuidado pra não engravidar.
Mulher, cadê seu homem?
É perigo fora do lar.
Se tem pena
É careta
Macho não tem medo de buceta.

Mas é pra ontem o desabrochar
Dessa flor que nasce espinho
Pra sangrar!

***Rebeca Letieri é estudante de jornalismo da UFF, e integrante da equipe do blog Afasta de mim este Cale-se.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s